Busco Baptismo de 1892 - Armamar (10 anos de busca sem sucesso)

Bom dia, fórum.

Desde 2013 procuro documentos dos meus antepassados nos mais diferentes meios: arquivo nacional, cúria metropolitana, familysearch e arquivos distritais. Sou bisneta de dois portugueses do mesmo Distrito (Viseu), porém freguesias diferentes.

Encontrei inúmeras informações, mas até hoje, dez anos após o início das buscas, ainda não localizei o registo de baptismo do meu bisavô. Da minha bisavó sim. Ela nasceu em 1897 e foi batizada em Fornos de Maceira Dao, Mangualde – Viseu.

Eles se casaram no Brasil em 1923, no civil e no religioso. Eu tenho a certidão de casamento no civil e a do religioso. Também fui até ao cartório para saber se ele deixou algum tipo de documento para poder casar, e me informaram que não tinha nada.

Segue o casamento no civil:

Pública Forma:

https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5ZFEzQ25.../view...

Já no casamento religioso, que ocorreu diante de duas testemunhas (que eram o pai e o avô do meu bisavô, que também vieram para o BR) ele afirma que nasceu no Distrito de Viseu, Concelho de Lamego.

Trecho extraído do livro de casamento no Brasil, fevereiro de 1923:

"(...) Elle com trinta anos de idade, filho legítimo de José Rodrigues Lages e de Maria Emilia Gabriella, nascido em Portugal e baptizado na parochia de Armamar, diocese de Lamego."

Termo de Casamento no religioso - Paróquia N.S. de Copacabana

Página da esquerda, termo 16

https://www.familysearch.org/ark:/61903/3:1:939F-R8BH-J...

Comentários

  • Fiquei feliz e achei que tudo tinha se resolvido quando localizei essa certidão religiosa. Fiz uma busca nos seguintes livros do Concelho de Armamar, freguesia de Armamar (que na época como pude constatar em todas as certidões lidas, levava o nome de "Parochia de Armamar, Diocese de Lamego):

    Baptismos 1888-11-19 – 1891-02-22

    Baptismos 1891-01-01 – 1893-10-20

    Baptismos 1894-01-21 – 1899-01-23

    Nessa busca, foram encontrados três irmãos dele, que eu nem sabia da existência:

    - Joaquim - 03/1894

    https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5aWdJZTd.../view...

    - Antonio - 10/1895

    https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5amRURDZ.../view...

    - José - 11/1897

    https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5VnFQVWh.../view...


    Filhos de José Rodrigues Lages e Maria Emilia Pereira (que é citada como Maria Emilia Gabriella nos documentos do meu biso no Brasil), netos maternos de Gabriel Ferreira e Emilia Pereira e paternos de Antonio Rodrigues da Silva e Ana do Carmo.

    Ainda na mesma freguesia e concelho, localizei a certidão de nascimento do pai dele, José Rodrigues Lages, filho de Antonio Rodrigues ( ora "Bilro", ora "da Silva") e Ana do Carmo, nascido em 1863 em Travanca.

    https://drive.google.com/file/d/0B8IToSZLnex5UWZHLWsyTUZZVWs/view?usp=sharing

    Também achei um pedido de passaporte de 1908 no qual José, com 45 anos a época, informava que seu destino era o Rio de Janeiro. Se meu bisavô veio junto com o pai, tinha por volta de 16 anos.

    http://digitarq.advis.arquivos.pt/details?id=1279816

    Tudo indica que Antonio Rodrigues, avô do meu bisavô, também veio junto, pois tanto ele como José Rodrigues Lages constam como testemunhas do casamento religioso dos meus bisavós no Rio de Janeiro.

    Achei, ainda na mesma freguesia, a certidão de nascimento da mãe do meu bisavô, Maria Emilia, nascida em julho de 1862, filha de Gabriel Ferreira e Emilia Pereira.

    https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5cTBpZkF.../view...

    Achei a certidão de casamento de José Rodrigues Lages e Maria Emilia, casados em 17 de julho de 1890 na igreja parochial de Armamar, concelho do mesmo nome, Diocese de Lamego.

    https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5SkwwdXd.../view...

    Localizei até o Registo de casamento dos avós maternos dele:

    https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5MEVfRE8.../view...

    Tem também esse Registo de batismo de um tio paterno:

    https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5WWlUaGZ.../view...


    Ou seja, achei tudo, mas a prova de que ele nasceu e foi batizado eu não acho por nada. Por isso, pensei em vir aqui compartilhar todas as informações que tenho com os senhores e torcer para que alguém neste grupo consiga me orientar, ajudar, me dar uma luz. Qualquer informação é bem-vinda. Vou ficar muito grata.

    Seguem mais provas de sua existência e passagem pelo Brasil encontradas no Arquivo Nacional do Rio de Janeiro:

    - 3 fichas do serviço de registro de estrangeiros preenchidas pelo meu bisavô Manoel Rodrigues na década de 40;

    https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5Mk5tQlB.../view...

    https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5bkNpdnd.../view...

    https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5amU5X1Z.../view...

    - 2 solicitações de identidade de estrangeiro feitas por Manoel Rodrigues as autoridades brasileiras;

    https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5d2pZVGs.../view...

    https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5Y0l6bDh.../view...

    - Autorização de atestado de identidade concedida a Manoel Rodrigues;

    https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5bF9qOW1.../view...

    - Atestado de pobreza de Manoel Rodrigues;

    https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5eVNvZlp.../view...

    - Atestado de permanência de Manoel Rodrigues;

    https://drive.google.com/.../0B8IToSZLnex5R1hYVE5.../view...

    Resumindo as informações:

    Nome: Manoel Rodrigues

    Pai: José Rodrigues Lages

    Mãe: Maria Emilia Pereira/Gabriella

    Provável data de nascimento: 1892 a 1893 (supostamente no mês de setembro)

    Local de nascimento dos pais: Travanca. Local de batismo e casamento dos pais: Paroquia de Armamar, diocese de Lamego.

    Irmãos: Joaquim, Antonio e José. Local de batizado dos irmãos: Paroquia de Armamar, diocese de Lamego.

    Avós maternos: Gabriel Ferreira e Emilia Pereira

    Avós paternos: Antonio Rodrigues Bilro/da Silva e Ana do Carmo

    Tia paterna: Maria do Carmo (consta como madrinha de Joaquim)

    Alguns outros familiares dele andaram por algumas freguesias:

    Irmão da Maria Emília (portanto tio materno do meu bisavô):

    7462 José Ferreira

    Vilarouco S. João da Pesqueira

    Gabriel Ferreira Emilia Pereira

    Sem Indicação 20 Brasil Solteiro

    http://digitarq.advis.arquivos.pt/details?id=1143360 - passaporte de José Ferreira.

  • @rafaeladrcosta

    sintetize...

    quem vc procura? Nome e filiação

  • editado January 16

    @mabego


    Nome: Manoel Rodrigues

    Pai: José Rodrigues Lages

    Mãe: Maria Emilia Pereira/Gabriella

    Provável data de nascimento: 1892 a 1893 (supostamente no mês de setembro)

    Local de nascimento dos pais: Travanca. Local de batismo e casamento dos pais: Paroquia de Armamar, diocese de Lamego.

  • Ola fórum, preciso de ajuda para encontrar o certidão de nascimento de minha bisavó,

    Se puderem me ajudar vou deixar os dados dela aqui

    Guilhermina de jesus

    Data de nascimento: 19/09/1909

    Nascida na ilha da madeira Portugal

    Filiação: Manoel Mendonça e augusta Mendonça

    Procuro ajuda para ver se consigo minha cidadania

    Grata elisfarias

  • @rafaeladrcosta vc é descendente do filho alberto? Se for, tenho uma boa noticia, como foi a própria Rosalina de Jesus que foi ao cartório vc conseguira o processo de cidadania, mesmo sem achar o Manuel

  • @nunogomes Alberto se eu não me engano é o filho mais velho dos meus bisavós. Minha vó foi a penúltima filha do casal. Ela nasceu em 1935 e infelizmente o declarante do nascimento dela foi o pai.

  • oi @rafaeladrcosta como vc já está há muitos anos procurando, imagino que vc já tenha feito isso, mas não custa perguntar... Você já entrou em contato com o arquivo distrital de Viseu solicitando auxílio deles para procurar o registro do Manuel?

  • Eu não sei se ajuda ou não... mas pelo que entendi da sua história, ambos os seus bisavós eram portugueses, certo? E a documentação da sua bisavó vc tem toda certinha.

    Para dar entrada no processo da sua avó vc precisa que apenas um dos pais seja português, no caso a sua bisavó já serve. O problema é que por ela ser mulher e não ter sido a pessoa que registrou sua avó no cartório, e como ela e seu bisavô se casaram no Brasil, vc precisa fazer a transcrição do casamento deles. Para realizar essa transcrição vc precisa do documento do seu bisavô. Mas uma vez que vc consiga essa transcrição, vc pode dar entrada na cidadania da sua avó apenas com a documentação da sua bisavó.

    Sendo assim, talvez seja o caso de tentar essa transcrição do casamento sem a documentação do seu bisavô, justificando que não foi possível encontrar a documentação. Dá uma olhada nesse tópico:

    Não é um processo fácil, vc provavelmente precisa arrumar algum tipo de certificado do AD de Viseu de que não foi possível encontrar o registro do seu bisavô. No tópico, uma das dicas que o rapaz que fez um processo similar dá é entrar em contato com a conservatória e listar os documentos que vc já tem dos seus bisavós e solicitar orientação deles quanto ao processo.

    Boa sorte no seu processo, espero que você consiga encontrar um caminho!

  • @rafaeladrcosta acabei de perceber uma coisa... vc falou no comentário acima que a sua avó ainda está viva... e vc disse anteriormente também que encontrou o registro de batismo e registro de casamento em portugal dos avós dela (seus tetravós):

    "Achei, ainda na mesma freguesia, a certidão de nascimento da mãe do meu bisavô, Maria Emilia, nascida em julho de 1862, filha de Gabriel Ferreira e Emilia Pereira.

    Achei a certidão de casamento de José Rodrigues Lages e Maria Emilia, casados em 17 de julho de 1890 na igreja parochial de Armamar, concelho do mesmo nome, Diocese de Lamego."

    Por que vc não dá entrada na cidadania da sua avó como neta de português, ao invés de filha??? Assim vc não precisa dos documentos do Manuel, acredito que só esses documentos acima já sirvam. A legislação mudou há poucos anos, e atualmente vc pode tirar a nacionalidade como neto de português, e mantém-se o direito de passar a nacionalidade para os filhos ou netos maiores de idade.

  • @marinaaazevedo obrigada pelas dicas. Com relação a pedir a nacionalidade da minha vó como neta, infelizmente também vou cair na necessidade de transcrição do casamento da sua mãe e, por consequência, a necessidade do registo de batismo do bisavô em questão. Com relação a outra dica q vc deu, eu vou investigar melhor se isso seria válido no caso de um português, pq até onde tinha entendido, só funcionária para o nubente estrangeiro. Estou vendo que sem essa certidão dele parece não haver muita saída :(

  • @rafaeladrcosta calma.

    A gente ainda está tentando entender o seu caso. Como nacionalidade é muita informação, primeiro temos que entender, para depois a gente diagnosticar o problema. Temos que correr por causa da idade avançada da sua avó.

    primeiro: canoas analisar o seu caso como filha de português (o da sua avó).

  • @marinaaazevedo e @Destefano

    Sobre a possibilidade que a Marina levantou de tentar obter um certificado da não existência do registo, enviei um pedido de informação ao AD de Viseu hoje pelo CRAV. Segue a troca de mensagens:

    Dados introduzidos no pedido

    Arquivo

    Arquivo Distrital de Viseu

    Informação a obter

    Toda a família do meu bisavô foi baptizada na Diocese de Lamego, Armamar, lugar de Travanca. Apenas o do meu bisavô não foi encontrado em nenhuma busca. Gostaria de saber da possibilidade de uma declaração do AD de Viseu sobre a inexistência do registo de nascimento dele. Tenho várias outros documentos (casamento, registro de nascimento de seus filhos) que comprovam sua existência mas o registo de baptismo não foi localizado. Precisaria desse certificado de não existência do registo dele para tentar transcrever o casamento da minha bisavó portuguesa com ele, celebrado no Brasil.


    Resposta ao Pedido de Informação

    Exmo. Sr.,


    Informamos que este arquivo so efetua emissão de certidões de registos localizados, não efetua emissão de certificados de registos não localizados ou não existentes.


    Com os melhores cumprimentos,

    Toni Marques dos Santos

    Assistente Técnico

  • @rafaeladrcosta e se você tentasse juntar todos os documentos que tem do pai da sua avó e tentasse fazer uma transcrição com suprimento da certidão? Geralmente se pede quando é certidão de estrangeiro, mas acho que é uma questão a ser levantada onde por ventura faça processo de transcrição com ausência de documentos.

  • @Destefano você tem sugestões de lugares onde eu poderia tentar essa transcrição com ausência de documentos?

  • editado January 25

    Pessoal, acabei de entrar em contato com o consulado aqui no Rio e eles me falaram que para transcrever o casamento nem precisaria do registo de batismo dele mas de qualquer documento dele emitido em Portugal. Eu fico me perguntando como esse homem chegou ao Brasil sem ter registo de nascimento e sem ter solicitado um passaporte sequer as autoridades portuguesas. Vou continuar tentando achar alguma coisa dele lá. O pedido do passaporte e a certidão do pai dele foi fácil, dele nada se acha. Que difícil!


    @Destefano @marinaaazevedo

  • @rafaeladrcosta já é um alento. Acho que agora vai. Conseguir o passaporte acho que será mais fácil.

  • Oi @rafaeladrcosta

    Entendi, vc vai precisar da transcrição do casamento do Manuel posteriormente, para os demais processos.

    De qualquer forma, vc já pode dar entrada na cidadania da sua avó como neta de portugueses. Você já tem todos os documentos para isso, e considerando a idade avançada dela, acho que seria algo inteligente a se fazer.

    Veja bem, os processos de neto tendem a demorar anos, a não ser no caso de quando a pessoa tem mais de 85 anos (ou 80, não tenho certeza). Neste caso o processo leva em média o mesmo tempo que o processo de cidadania de filhos maiores de idade.

    Pega os registros de batismo dos avós dela e o registro de casamento de ambos que você já tem, solicita as certidões no arquivo distrital, e dá entrada no processo dela por Lisboa o quanto antes. Paralelamente, veja se encontra algum outro documento do Manuel de Portugal para o processo de transcrição. Garantir a cidadania da sua avó é um passo importante para você posteriormente ter a sua, e neste quesito você está correndo contra o tempo.

  • @marinaaazevedo mas o @Destefano me explicou que eu não consigo pedir a nacionalidade dela nem como neta. Porque vão pedir mesmo assim o registo do Manoel.


    Ex:

    • registo de baptismo de ambos os avós maternos dela: Antonio Pedro e Maria do Patrocinio - eu possuo
    • Casamento dos dois realizado em Portugal: possuo
    • registo de batismo de Rosalina, filha deles, mãe da minha avó: possuo

    Só que aí, por Rosalina ser portuguesa e mulher, vão me pedir a transcrição do casamento dela aqui no Brasil com o Manoel. Mesmo a solicitação sendo para minha avó na condição de neta da Maria do Patrocinio e do Antonio Pedro, a falta do registo do Manoel vai continuar me afetando, uma vez que vão me pedir o casamento da mãe dela (Rosalina) com ele (Manoel) transcrito.

Entre ou Registre-se para fazer um comentário.