Busca Certidão Nascimento bisavó

Agradeço ajuda para Certidão Simples (não cerificada ou autenticada)/ Assento Nascimento de minha bisavó Maria Izabel d'Ávila Azevedo, nascida em Pelotas, Rio Grande do Sul entre os anos de 1865 e 1867.

Muito obrigado por qualquer ajuda

Comentários

  • @Jorge933

    tem o nome dos pais?

  • Tenho sim:

    Manoel Ignácio Monteiro de Azevedo - nascido em 1830 aproximadamente;

    Christina d'Ávila - nascida em 1832 aproximadamente e dos quais também não tenho outros elementos a não ser que nasceram em Rio Grande do Sul.

    Muito obrigado pelo sua atenção.

  • @Jorge933

    Ao que parece sua bisavó não era natural do Rio Grande do Sul, mas sim portuguesa...

    Há varios batismos de filhos dela em Portugal nos quais os nomes dos avós (pais dela) conferem com os nomes que informou no ultimo post.

    Segundo apurei ela era casada com Leopoldo d´Almeida Coutinho na freguesia de Santo Idelfonso, Porto, e natural de Barqueiros, Mesão-Frio:

    Filho Leopoldo (mesmo nome do pai):

    https://www.familysearch.org/ark:/61903/3:1:3QSQ-G9HZ-Y1NS?i=19

    Filha Maria Izabel (mesmo nome da mãe):

    https://www.familysearch.org/ark:/61903/3:1:3QS7-89HZ-BSFB?i=32

    =============================

    Tem mais uma infinidade de registros de filhos desse casal em Portugal e crianças dos quais foram padrinhos em Portugal:

    https://www.familysearch.org/search/record/results?count=20&q.givenName=maria%20izabel&q.surname=avila%20azevedo

    =============================

    Sugiro que crie a árvore da sua família no Family Search, é gratuito e tem muita informação que pode encontrar!

  • Tenho sim:

    Manoel Ignácio Monteiro de Azevedo - nascido em 1830 aproximadamente;

    Christina d'Ávila - nascida em 1832 aproximadamente e dos quais também não tenho outros elementos a não ser que nasceram também em rio Grande do Sul.

    Muito obrigado pelo sua atenção.

  • Boa tarde caro AlanNogueira,

    Antes de mais obrigado pela sua ajuda.

    Contudo em Portugal (Barcelos, Braga, Mesão Frio, Peso da Régua, Vila Marim, Vila Real), não existe nenhum registo paroquial do nascimento de Maria izabel d'Ávila Azevedo, embora haja algumas referencias sobre isso no Family Search.

    No testamento de seu pai, Manoel Ignácio Monteiro de Azevedo, é referido que a mesma nasceu a 03 de Julho de 1877, na cidade de Pelotas - Rio Grande do Sul - Brasil.

    Destes dados a presunção de ser Brasileira, até porque sob pesquisa efetuada encontrei vários familiares já falecidos em Pernambuco, Recife, S. Paulo e Rio de Janeiro.

    É na realidade um mistério.

    Mais uma vez muito obrigado.

  • @Jorge933

    A Maria Izabel que procura era casada com quem? Era com esse mesmo Leopoldo d’Almeida Coutinho que encontrei no Family Search?

    poderia enviar esse inventário?

  • Boa tarde caro AlanNogueira,

    Antes de mais obrigado pela sua ajuda.

    Contudo em Portugal (Barcelos, Braga, Mesão Frio, Peso da Régua, Vila Marim, Vila Real), não existe nenhum registo paroquial do nascimento de Maria izabel d'Ávila Azevedo, embora haja algumas referencias sobre isso no Family Search.

    No testamento de seu pai, Manoel Ignácio Monteiro de Azevedo, é referido que a mesma nasceu a 03 de Julho de 1877, na cidade de Pelotas - Rio Grande do Sul - Brasil.

    Destes dados a presunção de ser Brasileira, até porque sob pesquisa efetuada encontrei vários familiares já falecidos em Pernambuco, Recife, S. Paulo e Rio de Janeiro.

    É na realidade um mistério.

    Mais uma vez muito obrigado.

  • @Jorge933

    suas mensagens estão duplicando em dias/horários diferentes, depois dá uma olhadinha deve ser alguma coisa no seu computador...

    Veja por favor a última pergunta hoje 12:57

    Abs!

  • Boa noite,

    Sim, era casada com Leopoldo D'Almeida Coutinho (não o júnior que esse é filho) que faleceu em 24/11/1912 em Vila Marin, localidade onde ambos moravam.

    Anexo parte da transcrição do Testamento de Manoel Ignácio, que era padre e perfilhou a Maria Izabel num antigo notário da cidade do Porto que já não existe (documento que com alguma dificuldade estou atentar obter).

    Muito obrigado pela sua colaboração.


  • @Jorge933

    Seria bom tentarmos ver esse documento original, pois ao que parece a declaração foi feita em 1878(??), constando que ela já era casada, mas em seguida declara que ela era nascida um ano antes(??) em 1877? Pode ser que no inicio dele tenha a data em que foi lavrado, o que pode dar um sentido melhor na leitura...

    Declaro que por escritura pública, lavrada nas notas do tabelião Emílio Alberto da Rocha Andrade da cidade Porto, em 01 do mês de Abril do ano de 1878 perfilhei Maria Izabel d’Ávila Azevedo Coutinho; hoje casada com Leopoldo d’Almeida Coutinho da freguesia de Vila Marim, Comarca da Régua, a qual nasceu a 03 do mês de Julho de 1877 na Cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul, Império do Brasil; e a esta minha filha, Maria Izabel d’Ávila Coutinho instituo minha única e universal herdeira de todos os meus bens móveis e de raiz, e papéis de crédito, o que tudo tenho adquirido pela minha agência e trabalho.

    Declaro ainda que o dinheiro para cumprimento de todos os legados descritos neste meu testamento devem do Banco Mercantil, onde estão a juros por uma letra do mesmo Banco que para em meu poder.

    ==============

    Estamos diante de vários documentos oficiais informando dados divergentes, então penso que o melhor é seguir todas as pistas e ver onde que dá... O que te sugiro:

    a) Tentar localizar o casamento Leopoldo d´Almeida Coutinho na freguesia de Santo Idelfonso, Porto, para ver se tem mais alguma informação... Provavelmente só deve dizer que ela era filha de Manoel e indicar o local do nascimento e se seguir o padrão dos demais documentos portugueses até agora deve dizer que era de Barqueiros. Pode ser que tenha a idade dela, o que ajudaria a delimitar melhor o período da busca.

    b) Olhar um a um os registros de batismos de Barqueiros, Mesão-Frio, para ver se tem o registro dela mencionado nos assentos dos filhos e netos...

    c) Paralelamente: tentar achar o batismo em Pelotas (Rio Grande do Sul). Pela época possivelmente só deve ter batismo (igreja católica), sugiro tentar contato com as igrejas de Pelotas e ver se os livros dessa epoca ainda estão na Paroquia ou se foram transferidos para a Diocese ou algum outro órgão.

    Boa sorte em sua busca! Depois nos conte o desfecho!

  • OK, é isso mesmo que estou a tentar obter, não tão rápido quanto o desejado, mas também entendo que possa demorar algum tempo.

    Havendo novidades, darei feedback.

    Muito Obrigado.

  • @Jorge933

    Algo que me ocorreu aqui, não sei se procede, mas também um caminho a tentar...

    Em algumas localidades de Portugal há livros de "Registos de Reconhecimentos e Legitimações" além dos livros de Batismos...e alguns estão on line.

    Exemplo (print de uma parte dos livros de Santo Ildefonso, Porto):

    Pode ser que o registro dela esteja em um desses livros (não necessariamente nessa localidade que usei apenas como exemplo), e não dos livros de batismo...

  • @Jorge933

    Talvez ajude também...

    ÍNDICES DOS LIVROS DE NOTAS N.º 7133 A 7195

    PT/ADPRT/NOT/CNMAI/005/0004

    1862-09-09 

    ÂMBITO E CONTEÚDO

    Refere-se aos "tabeliães proprietários" Joaquim Tomás de Sousa Lobo, Emílio Alberto da Rocha Andrade e Abílio Augusto Monteiro, e aos "tabeliães interinos" Joaquim da Cunha Leite e Armindo Artur de Mendonça Barreto.

    Links:

    https://pesquisa.adporto.arquivos.pt/details?id=1783116

    https://pesquisa.adporto.arquivos.pt/viewer?id=1783116

  • Boa noite,

    O Assento de Casamento de 1885 refere que nasceu em Pelotas e que casou com 18 anos, portanto terá nascido em 1867.

    Aguardo plea cópia de Certidão de óbito, para verificar se tem mais elementos.

    Por outro lado já contactei o Secretariado da Arquidiocese de Pelotas, pedindo informações, o que ficaram de fazer dentro de 10 dias.

    Vou continuar a dar seguimento ao que me sugere e tentar obter o máximo de elementos possíveis.

    O meu muito obrigado

  • @Jorge933

    Casamento 1885 realmente traz muita informação interessante. Diz a Capela onde foi batizada em Pelotas e fala que é filha perfilhada de Manoel, que inclusive assina o assento dando seu consentimento!

    https://pesquisa.adporto.arquivos.pt/viewer?id=830824 m0085.tif e m0086.tif

    Com essas informações que você encontrou ficará mais fácil encontrar o assento em Pelotas. Pode ser, contudo, que lá conste ser ela filha natural de Christina d´Avila apenas, sem indicação paterna, que estaria a depender de encontrar a escritura ou o registro da legitimação.

    Mas você está no caminho certo!

    Que Deus abençoe sua busca!

  • @Jorge933 se o casamento ocorreu em Portugal, vc não precisa transcrever, pelo que não precisa para efeitos de processo de nacionalidade do assento da sua bisavó, basta instruir o processo do neto deles com o batismo do marido e com a certidão do casamento, todas passadas pelo arquivo distrital do Porto.

  • @Jorge933 impressionante a sua busca e a ajuda aqui dos foristas, a sua bisavó, é uma brasileira, que casou em Portugal com um português e é filha perfilhada, de um padre e de uma senhora do Uruguai. Grande resgate da história familiar 😀

  • Bom dia,

    Aos pouquinhos, lenta e pacientemente, mas também com a sua preciosa ajuda, o caminho vai-se fazendo.

    Já tinha lido algures, a referência sobre a Christina d'Ávila ser Uruguaia mas, sinceramente, desvalorizei pensando tratar-se de outra pessoa com o mesmo nome. Vou ter de tentar encontrar isso de novo e de algum modo fazer a validação.

    São só surpresas!!!

    Entretanto estou a aguardar a chegada da documentação solicitada e do contacto por parte da Arquidiocese de Pelotas, que segundo o e-mail recebido será demorado.

    Muito obrigado e Bem-haja.

  • Ora boa tarde,

    Aos pouquinhos mas vamos tentando contornar as situações adversas.

    Já tenho documentos que comprovam que o Uruguai também entra efetivamente na equação (tetravô).

    Agora, nova situação complicada.

    A Arquidiocese de Pelotas para fornecer cópia do assento de nascimento da Maria Isabel, só emite o documento de forma oficial, não sabendo o custo por variar em função do ano.

    Além disso solicita um pedido de autorização com elementos brasileiros (coisa que não tenho dado ser português) e exige documentação oficial que comprove o meu parentesco.

    Tipo:

    Casamento de minha trisavó (Maria Isabel) + nascimento da minha avó + casamento da minha avó + nascimento de meu pai + casamento de meu pai + meu nascimento (6 documentos todos oficiais).

    Tanta complicação e gastos para obter um simples assento de nascimento !!!!!!

    Sabe informar-me se é mesmo assim ou existe alguma outra alternativa mais simples?

    Peço desculpa e o meu muito obrigado.

  • @Jorge933

    Assentos emitidos por cúrias, arquidioceses etc no Brasil seguem as regras de cada uma delas. Não existe um procedimento padrão, infelizmente. Elas são as detentoras desses arquivos. No BR, os arquivos paroquiais não foram transferidos para o Estado quando do estabelecimento do registro civil.

    Se as exigências para emissão forem realmente exageradas, acho que vale a pena argumentar, educadamente, que isso implicaria em grande dificuldade e custo para conseguir um assento. Tentaria já fornecer uma solução alternativa, para mostrar que há outros caminhos. Por exemplo, certidões de nascimento BR vão conter os nomes dos avós, já eliminando assim a documentação de uma geração e assim por diante. Algo como mostrando por A + B que com apenas esses "x" documentos fica claro a ligação familiar.

  • Pois, já tentei mas o resultado manteve-se.

    Estou a pensar ir ao Consulado e explicar a situação, para ver se de algum modo me podem ajudar.

    Muito obrigado pelo seu esclarecimento e ajuda.

  • @Jorge933

    Talvez algum advogado brasileiro aqui do fórum possa te ajudar. A tentativa seria mandar uma espécie de requerimento à cúria, argumentando via a analogia da lei que rege o acesso aos registros civis no Brasil,

    Registros civis são documentos públicos - somente em casos específicos (reconhecimento de paternidade ou maternidade, alteração de nome, e/ou sexo de pessoa transgênero, etc) é que se precisa provar a "legitimidade" para obter tal certidão.

    Tem também possivelmente o lado das "diferenças culturais" entre BR e PT em termos de relações interpessoais. Às vezes, a maneira de se solicitar algo é bem diferente nos dois países e isso causa uma resposta diferente de quem vai atender a solicitação. Já vi isso acontecer com conhecidos europeus aqui no BR; eles pediam de um certo jeito que era "normal" para eles. Só que essa "maneira de pedir" não era bem recebida pelas pessoas aqui, acabava criando um clima de certo antagonismo, e eles saiam de mão abanando. Aí eu ia lá, pedia a mesma coisa, mas de outra maneira - e conseguia.

  • @CarlosASP

    Creio que o problema seja a LGPD... tive problema parecido com uma igreja e argumentaram que era por causa disso... pq seriam dados pessoais...

  • editado March 17

    @AlanNogueira

    Pode ser. Às vezes, alguns entes dão uma interpretação "mais realista que o rei". Quanto mais que estamos falando de registros de pessoas que já faleceram há muito tempo.

    Por isso a analogia com o acesso a registros civis e sugeri que seria bom se algum advogado do fórum que conheça melhor o tema puder opinar.

    LGPD = Lei Geral de Proteção de Dados, caso o colega em PT não conheça a sigla.

  • @CarlosASP

    Exatamente... no meu caso queriam uma "procuração" da pessoa que foi batizada kkkkk O problema é que o batizado já está com o Criador há muitos anos...

  • Muito obrigado pelas indicações que são preciosas. Vamos ver como a "carruagem" vai andar, se anda e quais os próximos capítulos.

  • @Jorge933 qual é o seu problema mesmo, pq agora estou meio confuso?

Entre ou Registre-se para fazer um comentário.